segunda-feira, 22 de novembro de 2010

A importância do contacto físico

Numa altura em que cada vez mais a internet e o telemóvel substituem os encontros físicos, em que o trabalho e a escola afastam as famílias e em que a televisão as remete ao silêncio, mudou a forma como "contactamos" uns com os outros. O certo é que já há algum tempo isto vinha acontecendo, porém agora isso está-se a verificar de forma massificada e atingindo grupos etários cada vez mais jovens. Muda também, em consequência, a forma como nos contactamos fisicamente.
Há uma razão para que, em quase todas as culturas haja um tipo físico de cumprimento: um aperto de mão, dois beijinhos na cara, esfregar os narizes, até um beijo na boca. Este primeiro contacto aproxima as pessoas, é uma forma de empatia e de identificação, um sinal de paz que premissa algo de agradável ou pelo menos não ofensivo daí para a frente. É uma forma de dizer "venho em paz e espero que também venhas", "sê bem-vindo", "agrada-me ver-te".
Hoje em dia, além desses gestos iniciais - e muitas vezes nem esses - a maioria das pessoas passa grande parte das suas vidas sem mais nenhum contacto físico. Não há um toque, um abraço, um pegar na mão a um amigo, filho ou pai, irmãos... Entre os casais há sexo, muitas vezes consentido mas sem sentido, onde são o ímpeto animal ou o hábito a comandar, a embalar uma relação quase adormecida. O ser humano necessita de contacto. Necessita de um toque, de um abraço que preencha o vazio de afecto que a vida de hoje e o individualismo para que somos empurrados pela ausência de valores, instalaram. Então buscamo-lo em outros lugares: em relações amorosas fortuitas, em massagens, em animais de estimação, em violência... muitas vezes a violência nada mais é que a necessidade de contacto, a par com a de afecto, mesmo quando entre casais onde não existe falta de sexo. É um grito, uma forma de ter de alguma maneira o que não se tem de outra ou se não é capaz de dar.
É claro que isto não é válido para todas as situações, mas o certo é que um abraço entre um pai e um filho, amigos, etc, fortalece relações entre ambos e alimenta-os de conforto; mesmo uma simples palmada no ombro de um desconhecido pode significar, se não mais, que ainda somos suficientemente humanos para sermos dignos de que alguém nos tencione transferir afecto.

Sem comentários: