sexta-feira, 17 de junho de 2011

País deprimido

O cidadão comum está apreensivo. Não sabe o que o espera, apenas sabe que terá que sofrer um bom bocado em nome das promessas dos governantes de que as medidas de austeridade vão inverter o sentido da crise. Mas, farto de apertar o cinto, de acreditar em mentiras e de assistir a cada dia que passa à degradação da economia e da sociedade, ele passou a desconfiar de tudo e de todos. Principalmente do futuro.

No imediato aumenta o desemprego, diminui o poder de compra, diminui a qualidade no ensino, na saúde, na justiça; não admira que a depressão bata à porta e atire para os consultórios de psiquiatras e psicólogos novos clientes mas mais pobres. Não há dinheiro nem para as consultas! A primeira, ainda vá que não vá, mas as seguintes.... E os medicamentos? A escolha entre pôr comida na boca dos filhos ou pagar a prestação da casa leva a que a uma dada altura eles fiquem na farmácia, depois de irem ao balcão, as caixas serem inspeccionadas e serem rejeitados com qualquer desculpa esfarrapada.
E assim o cidadão comum começa a andar irritado, aborrecido, melancólico. Por vezes enverga por caminhos um tanto ou quanto obscuros na tentativa de fazer atalhos para o seu objectivo final, outras procura esvaziar a cabeça virando a atenção para a folia e o futebol, outras ainda fica em casa indeciso entre o atirar-se da janela ou o emigrar para outra nação.
Pergunto se este cidadão é capaz de aumentar a sua produção, de forma a superar o défice. Espera-se dele o levantar Portugal do chão. Mas, como pode alguém levantar alguma coisa, se está a ser constantemente obrigado a se baixar?
Um país deprimido não vai a lado nenhum. A continuar assim, é melhor o estado tomar como prioridade a encomenda de altas quantidades de Prozac, não vá toda a gente começar andar de cabeça tão baixa que nem se aperceba que mudamos de governo...

domingo, 5 de junho de 2011

Despertar para a realidade

"Não me lembro quem foi
mas me convenceu
O mundo afinal é de todos,
não é só meu.
Foi um grito da alma,
foi um peso no olhar
Foi orgulho ferido
duro soluçar.
Deitei no chão frio
pra esfriar o coração,
mudei de nome e de morada
estava sem solução.
Me olhei no espelho e vi pedaços
feito vidro que eu quebrei
mas eram correntes, eram barreiras
que à minha volta eu criei
Foi duro, foi desespero,
acordar, ver meu espaço
ver que o mundo é de todos
e só nos cabe um pedaço
e agora não reclamo,
por fazer parte de um todo.
Pois por viver na realidade
sou feliz de qualquer modo..."
Anónimo