terça-feira, 18 de outubro de 2011

Desmame - 2ª Semana

Esta semana tem sido estranha. Agora estou a fazer Cymbalta dia sim dois dias não. Não quero ser "rápida" demais, para não demorar ainda mais tempo.
A ansiedade subiu, bem como a taquicardia. A ansiedade anda de mãos dadas com um medo difuso, inexprimível... O véu que me mantinha numa zona de segurança em relação à realidade está a desaparecer. É tão mais evidente a falibilidade do corpo, a inevitabilidade do seu perecimento e a sua exposição ao sofrimento... 
Agora estou cada vez mais acordada. Acordar é doloroso, principalmente para quem não age, apenas deseja. Dentro do meu cérebro a confusão instala-se aos poucos. Não me consigo apoiar nem nas religião, nem na filosofia, nem na psicologia. Preciso de  uma tese minha que satisfaça os meus critérios de solidez. Começo a acreditar que o ser humano não é um ser nobre por natureza, antes de uma bondade volátil e uma tendência nativa para destruir e complicar, em nome do progresso e da sabedoria, da fé ou simplesmente da vontade. Qual é a natureza do ser humano? Qual é ao certo a minha própria natureza? Nós não temos um anjinho e um diabinho sentados em cada ombro, nós somos esse anjinho e esse diabinho: somos o melhor e simultâneamente o pior que a natureza concebeu.

3 comentários:

Anónimo disse...

estavas a tomar 60 mg ou 120 mg?
eu também tomo...60 mg por dia a 6 meses mas mesmo assim ando agitado....segunda a tua experiência que durou dois anos o que achas, que devo aumentar a dose, visto que parece que ainda não atingi a dose terapêutica!?! achas que isso vai aumentar os efeitos colaterais ou o organismo? como ja ta habituado nao se vai notar muito psicologicamente o mau estar físicos dos efeitos secundarios? que achas segundo a tua experiencia?

Ivana disse...

Estive sempre a tomar 60 mg desde o início. Os efeitos secundários variam de pessoa em tipo e intensidade. Nunca aumentes ou diminuas doses sem a consulta de um médico, pois eu já fiz isso e dei-me muito mal. É claro que quanto mais alta é dosagem maiores os efeitos colaterais. Quanto mais o organismo está habituado, mais difícil é fazer o desmame. Este deve ser tão lento quanto o nosso bem-estar pedir, ou seja, feito de forma a causar o mínimo possível de sintomas de privação; tal como somos diferentes uns dos outros assim a nossa reacção aos efeitos da toma da medicação ou sua suspensão o são.

Anónimo disse...

Deus que me livre desta droga,comecei a tomar ontem e ja parei ...quase surtei a noite nao dormia embora tinha sono nao conseguia ficar deitada tive uma fome insaciavel uma depressao terrivel parecia q minha alma estava desgrudada do corpo, Meu Deus me proteja disto!!!! nunca mais vou tomar, e depois de ler seus posts me ajudou a tomar uma postura firme de nao entrar nessa. Obrigada Ivana pelo seu relato, me salvou desta armadilha que eh esse
cymbalta. De coracao eu espero que vc ja esteja bem!!
Glau.