sábado, 31 de dezembro de 2011

Desisti de jogar na lotaria

Esperar... Acreditar... Sonhar... Já apaguei há tempo estes verbos do meu dicionário. Aprendo depressa com o passado, crio anti-corpos suficientes para manter à distância todas as coisas pelas quais um dia esperei, acreditei, sonhei. A verdade é que criavam uma ilusão de felicidade, funcionavam como uma droga, iludindo a dureza do presente, proporcionando um bem-estar artificial. Não sou a favor das drogas. Então, para quê continuar a teimar no mesmo, dia após dia, frustração atrás de frustração? Dei comigo a chamar-me estúpida por estar a sustentar aquilo que me fazia sofrer.
Não tomei a decisão de o fazer. Aos poucos, as experiências da vida fizeram-no por mim. Não quero voltar a sofrer decepções, aliás, neste momento já estou decepcionada o bastante para notar algum incremento; não quero voltar a cair desamparada por ter sonhado alto, embora alto para mim seja pouco mais que o nível de sobrevivência; não quero viver continuamente na ansiedade de aguardar as mudanças, as pessoas, os momentos, que nunca chegam.
É claro que o que faz avançar a vida, o que lhe dá sentido é mesmo acreditar, esperar, sonhar... mas eu não consigo jogar todas as semanas na lotaria e ao fim de quarenta anos sem ganhar um prémio acreditar que irei algum dia ganhá-la. Por isso parei de jogar. Assim é com a vida: há um dia em que simplesmente deixamos de jogar...