domingo, 19 de agosto de 2012

As lentes com que vemos o futuro

Um dos sintomas da depressão é a nossa visão negra do mundo. A esperança reduz-se ao mínimo, por isso o futuro assusta-nos. Se o presente já nos deixa ansiosos, olhar para a frente e não ver nada de bom, mais agrava essa ansiedade. Para mim este sintoma só por si basta para identificar um quadro depressivo, embora a classe médica acrescente muitos outros. Este, pode desencadear todos os outros.
A palavra chave para vivermos felizes é "acreditar", "ter esperança". É isto que nos faz avançar, lutar, transpor   obstáculos e sorrir. Imagine então quando é justamente este pilar que está comprometido: a casa desmorona-se.   Sem esperança, o futuro parece demasiado duro, demasiado sombrio, demasiado negro. Por isso se sofre. Muitas vezes sentimos-nos como se estivéssemos num corredor da morte, à espera do dia final. É claro que não podemos olhar para a frente de forma positiva. 
Não temos culpa disto acontecer, contudo é sempre bom entender. Por alguma razão passam a existir duas "lentes" no nosso centro de discernimento: uma que aumenta as coisas más, os defeitos, a auto-piedade, a culpa, as más recordações, e outra que diminui as coisas boas, as boas memórias, a auto-estima. Provavelmente quando estamos bem, esses "objectos" não são lentes de aumentar ou diminuir, mas vidros normais, que permitem ver todas as coisas de modo equilibrado. Contudo, a existência dos mesmos dentro das nossas mentes, altera a nossa visão de tudo aquilo que nos rodeia e do mundo em geral. 
Temos que, apesar de estarmos a sofrer, resguardarmos um pouquinho da nossa capacidade de pensar, para pensarmos que os coisas não são como as estamos a ver. Elas estão normais, as lentes através das quais as vemos é que estão alteradas. Se entendermos isto, a esperança tem mais hipóteses de vencer.

O que se faz terapeuticamente, não deixa de ser  alterar os mecanismos que controlam essas "lentes" para que sejam repostos os vidros normais.

1 comentário:

Mariana disse...
Este comentário foi removido pelo autor.