terça-feira, 9 de julho de 2013

A felicidade é uma opção

Todos queremos ser felizes. Porém, a maior parte das pessoas não tem como objectivo alcançar esse fim. Ou seja, é como desejar ganhar o euromilhões sem sequer jogar! Mas no que concerne ao estado de felicidade, não há nenhuma chave de sorteio que automaticamente no-lo atribua: a felicidade tem que ser construída, depois cuidada para que não esmoreça.

Quase toda a gente diz que se esforça por ser feliz, mas que essa felicidade nunca chega. Será que estão a fazer alguma coisa errada? Acho que sim. É que temos tendência a procurá-la em todo o lado excepto onde devemos: vemo-la como dependendo do exterior, do dinheiro, dos amigos, da família, do amor, da saúde. É claro que isto contribui em muito para atingir esse estado, mas quantas pessoas conhecemos que têm tudo isso e se sentem miseravelmente infelizes?

A felicidade é uma OPÇÃO! Temos que optar por ser felizes. A nossa educação e a tendência pessimista da sociedade em que vivemos, em que se valorizam mais as coisas negativas que as positivas, onde nos ensinam que a felicidade é a ausência de coisas negativas, achamos que não temos sequer direito a ela, que ela é uma espécie de bónus a que apenas alguns têm direito. Olhamo-la como algo distante, que vem de fora, invejamos quem a possui... Encontramos sempre mil e um culpados para que ela não nos tenha ainda batido à porta.
A verdade é que ela nos está sempre a bater à porta, nós é que não a abrimos, nem sequer ouvimos. Procuramos grandes alegrias e ignoramos as pequenas, mas damos imensa importância às pequenas tristezas!  Em primeiro lugar, temos que nos convencer que temos direito a ela. Não está escrito em parte nenhuma que devemos penar. A alegria pode coexistir com a tristeza, pois estas duas emoções são tratadas em partes diferentes do cérebro, logo é errado pensar que uma é a ausência da outra; depois, há que vê-la como um objectivo a atingir, o objectivo maior da nossa vida. Há que tomar a opção de ser feliz. Até pode ser que o mundo esteja todo contra nós, pois o que conta é o que decidimos, se decidimos entregar-nos à tristeza ou à alegria, se decidimos dar mais importância à primeira que à segunda. Somos livres, em última análise, em permitir que determinado facto nos atinja ou não. Podem lançar-nos uma pedra, isso não depende de nós. A pedra pode ferir-nos, também não depende de nós. O que depende de nós é se vamos ou não deixar que esse acontecimento nos retire a nossa felicidade.

Sei que é difícil de compreender, mas o que vejo à minha volta são pessoas que se habituaram a ver a felicidade ao longe e por mais que a desejem por perto, têm medo de encurtar as distâncias entre elas.

Já agora, é feliz?