terça-feira, 22 de julho de 2014

O síndrome do "Coitadinho"

"Coitado de mim!" é uma frase que se lê nos olhos de muita gente...
Elas estão no centro do universo, avaliando a sua própria situação a partir de ideias pré-concebidas e da assumpção de valores de humildade distorcidos em que ser vítima é desejável. A auto-piedade anula e substitui os instintos normais de fuga à dor (física e psicológica). Mais do que incentivos à libertação, eles preferem ouvir coisas como "Tenho pena de ti", "Coitado!". Provavelmente já se aperceberam das vantagens imediatas: têm mais mimos, mais atenção, mais compreensão. Contudo, não lhes resta muita vontade para mudar a situação. O que preferem ouvir dos outros é aquilo que também preferem ouvir de si próprios. Esta atitude passiva de submissão está provavelmente de acordo com a sua educação e vivências anteriores: os maus acontecimentos da vida sucedem-se, muitas vezes não são evitados ou são inconscientemente provocados; a sensação de que não podem fazer nada por si apodera-se deles e é alimentada pela auto-piedade. 
Estas pessoas não vêm em si próprias a fonte da força para sair da situação em que se encontram. Entram num marasmo psíquico, num ciclo vicioso que as conforta e afasta o medo do desconhecido, ainda que esse desconhecido seja a liberdade.