segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Quando cai o véu... e a depressão

Ver fonte da imagem
Somos hoje as mesmas pessoas que fomos ontem; somos as mesmas pessoas antes, durante e depois de uma depressão. Então porque razão nos sentimos tão diferentes quando estamos deprimidos? A razão é que durante essas alturas não somos verdadeiramente nós. A nossa visão do mundo está deturpada, a nossa atenção está focada em nós de forma patologicamente intensa. Parece que o mundo nos está a cair em cima, sentimos-nos ansiosos, com medo, irritados. Temos a sensação de sermos a pessoa mais desgraçada deste mundo. Mas porque é que nos sentimos assim nestas alturas?

Seja porque razão for, é como se tivesse caído o véu que afasta o nosso eu da atenção de si mesmo. Atenção exagerada, porque se for com medida é positiva. Quem não se sente deprimido sente um certo afastamento em relação à forma como vê o seu corpo a a sua vida em geral. Não quero dizer que se alheia ou não quer saber, mas sim que olha para estes como se olhasse para outra pessoa, que neste caso é o próprio. A partir do momento em que deixamos de o fazer, afastamos-nos do mundo e dos outros de tal forma que passamos a ser o único foco de atenção. Nada mais interessa, por isso tudo dói. Até viver dói. Porque o ser humano foi feito para olhar para si próprio como se estivesse a olhar para o outro. 

Alguns aspectos do nosso íntimo estão escondidos atrás de um véu, deixando ver apenas os seus contornos. Seria insuportável ver claramente, não saberíamos lidar com isso. Por isso, quando este véu cai, a dor torna-se insuportável. 

É isto a depressão. Quando cai o véu.

sábado, 20 de agosto de 2016

A infelicidade deriva da socialização

Ver fonte da imagem
O ser humano nasce naturalmente feliz. A felicidade é inata. Se fosse possível perguntar a um recém-nascido como ele se sente, ele diria que se sentia feliz. Ainda que passe grande parte do tempo a chorar, para ele isso são episódios transitórios, uma pedra no sapato, que depois de tirada tudo volta ao normal. Mas então porque é que há tantas pessoas infelizes, se todos nascemos felizes e o somos por natureza? Bom, porque a infelicidade é aprendida. Sim, a forma como percepcionamos as experiências negativas da vida reestruturam o nosso cérebro de forma a viver em constante estado de mal estar. A pedra no sapato cresce e passa a fazer parte do sapato.

Desde o nascimento que somos bombardeados com experiências menos boas. O bebé chora e a mãe demora a consolá-lo, quer um brinquedo e é-lhe negado. Quando cresce é obrigado a ir para a escola, encontra colegas que não o aceitam bem, gostava de ter roupas que os pais não podem comprar. Na adolescência apaixonam-se e não são correspondidos, têm desilusões com amigos, os pais divorciam-se, o gato morre. E assim por diante. 

Todos nós passamos por situações menos boas ao longo da vida. Não há excepções. Mas nem todos lidamos com as experiências negativas da mesma forma. De facto, perante uma mesma situação, haverá reacções diferentes. Por exemplo, no exemplo acima citado em que o adolescente quer uma roupa que os pais não podem comprar. De que forma é que este acontecimento o fará sentir mal? Três coisas têm que acontecer em simultâneo:
- A comparação: muita da infelicidade surge porque constantemente nos comparamos com outras pessoas. Os outros têm, e eu não; os outros podem e eu não; os outros conseguem e eu não. O eu é constantemente comparado com os outros. Achamos que os outros são felizes porque têm, podem ou conseguem o que nós não. Instala-se um sentimento de inferioridade que mina a auto-estima, desencadeando a infelicidade;
- O que nos dizem para sentir: perante um dado acontecimento, somos ensinados como reagir. Se uma pessoa morre, devemos chorar; se o namorado nos deixa, devemos sentir-nos tristes; se não temos dinheiro, devemos sentir-nos mal;
- A repetição: se um acontecimento se repete muitas vezes ou as experiências negativas não param de acontecer, a tendência, o cérebro habitua-se a um estado de mal-estar.
Podemos então concluir que a infelicidade deriva da socialização. Ou seja, à medida que nos misturamos com os outros, expomos-nos à infelicidade. 

Será que se nunca tivéssemos conhecido ninguém desde que nascemos, seríamos sempre felizes? Provavelmente, mas não temos ninguém para prová-lo.

Ainda assim, muitas pessoas são sujeitas aos mesmos acontecimentos e nem todas são infelizes. A razão é que algumas pessoas estão mais viradas para elas próprias e outras para os outros e o mundo à sua volta. Pensar constantemente no "Eu" faz com que interiorize-mos os acontecimentos de forma mais profunda. E isso faz toda a diferença.

sexta-feira, 22 de julho de 2016

A psicologia vence a depressão?

Ver fonte da imagem
Ninguém me diga que a psicologia sozinha consegue ajudar uma depressão moderada a grave sem medicação. Na minha opinião, consumada pela experiência, a psicologia ajuda (o sucesso está mais na pessoa do terapeuta do que no método utilizado), mas não consegue resolver nada só por si. Isto porque quando a depressão atinge determinadas proporções, a psicologia é insuficiente para alterar o estado pessimista e triste em que o deprimido entrou, pois este deve-se a uma conjuntura causada por desequilíbrios químicos e não propriamente por uma atitude consciente da pessoa em questão. 

Na depressão, e provavelmente devido a esta desordem química, a vontade fica comprometida. Os "óculos" com que o deprimido vê o mundo estão pintados de negro e os ouvidos filtram os sons que lhes chegam para se coadunarem com o "mundo" em que aquela pessoa presentemente sente que vive. Sendo assim, daquilo que o psicólogo possa dizer, apenas será entendido aquilo que o filtro deixar passar. O resto é descartado, não produz qualquer efeito, o mesmo acontecendo com todos os estímulos positivos que possa receber.

Enquanto não se resolver a questão do filtro, não se consegue chegar a lado nenhum. E o que é este filtro? Não é mais que a forma como as condições bioquímicas "arrumam" o cérebro para receber impulsos do mundo exterior e a forma como os mesmos são processados. Resulta daqui a forma como se percepciona tudo o que chega aos sentidos, e também a forma como se sente. 

Mas será que a psicologia não consegue ajudar nada? Claro que consegue. Ela permite à medicação atingir os seus fins. Ela ajuda a restabelecer a vontade de destruir os "filtros". Porque tanto a água bate na pedra que fura. E se esta vontade não existir, pode-se andar a tomar medicamentos a vida inteira que não se sai da cepa torta.