sábado, 11 de julho de 2009

O "KISS"


Não, não é um beijo. KISS é o acrónimo de "Keep It Simple, Stupid" e "é um princípio geral que valoriza a simplicidade de projecto e defende que toda a complexidade desnecessária seja evitada. Serve como fórmula útil em diversas áreas como o desenvolvimento de software, a animação, a engenharia no geral e no planejamento estratégico e táctico. Também é aplicado na Literatura, na Música e nas Artes em geral. Este princípio teve a sua inspiração diretamente do princípio da Navalha de Occam e das máximas de Albert Einstein ("tudo deve ser feito da forma mais simples possível, mas não mais simples que isso") e de Antoine de Saint-Exupéry ("A perfeição é alcançada não quando não há mais nada para adicionar, mas quando não há mais nada que se possa retirar") (Wikipédia).

Simplificar pode ser a solução para muitos dos nossos problemas. Quantos de nós nos fartamos de queixar pela falta de tempo, pelo cansaço, pela falta de dinheiro, pela falta de amigos...?! E quantas vezes já olhamos bem a fundo para a nossa vida, analisando imparcialmente onde estamos a errar? Se calhar nunca, ou então sempre que o fazemos chegamos à conclusão de que não poderíamos ter feito melhor.

Vivemos na era do consumismo, do comodismo, do egoísmo; vivemos em função da maximização da qualidade de vida sem entendermos muito bem o que isso significa; não entendemos que muitas das coisas que temos são supérfluas, aprisionam-nos e exigem de nós muito mais do que o prazer ou benefício que nos dão em contrapartida.

Vou analisar aqui uma situção concreta: Paula e Mário, ambos advogados, pais de um filho adolescente, viviam numa casa de cinco assoalhadas, ar condicionado e música ambiente, uma televisão em cada assoalhada, com mais de cem canais, três casas de banho, janelas automáticas entre outras comodidades. Tinham a casa dos seus sonhos, num condomínio fechado, com piscina, três elevadores. Para pagar o empréstimo do banco e para manter a casa necessitavam de uma avultada quantia de dinheiro todos os meses. Para o efeito, começaram ambos a aceitar mais casos. O tempo era pouco e como tal tiveram que contratar uma empregada. Contudo isso ainda acresceu mais as despesas e tiveram que trabalhar durante o Sábado. Como prometeram ao filho umas férias em Bora Bora, começaram a trabalhar também ao Domingo.

Não passavam tempo quase nenhum em casa; estavam constantemente cansados e Mário começou a sofrer de hipertensão; o filho passava o dia ao computador e não estudava, estando em vias de reprovar nos exames. Paula tinha tudo o que sempre ambicionou, no entanto não se sentia feliz.

Certo dia chegou a casa, sentou-se no sofá, pegou no comando, ligou a televisão da sala e pela primeira vez num mês preparou-se para assistir a um filme. Apercebeu-se de que tinha tantas televisões, tantos canais, mas não tinha tempo de ver nenhum deles, o mesmo acontecendo com o marido e o filho, que preferia a internet. Levantou-se e deu um passeio pela casa. Há meses que não entrava ninguém no quarto de hóspedes, não tinham tempo para receber ninguém em casa. Olhou pela janela e viu a piscina onde já não punha os pés há meses. Havia sempre tantas contas a pagar, tanto trabalho a fazer... Uma casa assim dá muitas despesas. Então Paula deu-se conta de que estava a trabalhar para o boneco. Estava a trabalhar para financiar algo de que não podia usufruir; deu-se conta de que apesar de ter tudo o que sempre quis ter, não tinha o que verdadeiramente lhe interessava: passar tempo em família, estar com os amigos, divertir-se.

Foi então que, em conjunto com o marido e o filho tomaram uma decisão: mudar para uma casa mais pequena, na periferia. Não tinha nem metade das comodidades que aquela tinha, mas de que interessava tê-las se não podiam gozar delas? Dispensaram a empregada e Paula passou a assumir as tarefas da casa. Três assoalhadas mais pequenas eram suficientes para todos. Uma televisão na sala com um pacote mínimo e um sofá-cama que servia perfeitamente para transformar a sala em quarto de hóspedes caso houvesse algum. Não tinham música ambiente nem janelas automáticas, nem piscina, mas no final todos sentiram que valeu a pena a mudança.

A renda diminuiu, bem como os custos de electricidade, condomínio, entre outros. Isto fez com que tivessem que trabalhar muito menos e poder assim passar mais tempo uns com os outros; apenas uma televisão na sala contribuiu para aproximar a família; começou a haver tempo para conviver com os amigos, o que os alegrou imenso; no final ainda sobrou dinheiro para fazerem aquela viagem a Bora Bora que andavam à tempo a prometer ao filho.

Simplificar mudou a vida desta família. A adaptação foi difícil, ao princípio acharam que apenas iam ganhar desconforto, mas a verdade é que o nível de felicidade aumentou.

Complexidade gera complexidade e às tantas esta complexidade atrofia, aprisiona. Esquematizar a vida de forma simples torna os objectivos mais possíveis. Estabelecer como prioridade objectivos imateriais em vez dos materiais faz com que seja necessário muito menos esforço, faz com que os últimos percam importância face aos primeiros, o que contribui para o reforço de valores como a amizade, a família, o altruísmo, pois procurar a felicidade nas coisas simples é muito mais satisfatório e fácil de atingir do que nas mais complexas; ter muito é apenas satisfazer caprichos, quando nos basta tão pouco para termos o que realmente importa. Por isso, aproveite e KISS....

Sem comentários: