sábado, 8 de agosto de 2009

Hipnoterapia


Considerada uma prática alternativa à terapia tradicional, a hipnoterapia (ou hipnose clínica) tem vindo a ganhar cada vez mais adeptos entre os que sofrem de problemas psíquicos. O estado hipnótico é um estado alterado de consciência que pode ter vários graus, semelhante aos vários estados que experimentamos durante o nosso dia. É um estado de concentração profunda, no qual a nossa mente está voltada para a sua vida interior. Experimentamos um total relaxamento físico e emocional, em que o cérebro entra em frequência alfa, um estado intermediário entre o sono e a vigília. O paciente está sempre consciente (30 a 40%) e tem poder de decisão. Quer isto dizer que o paciente não fará nem dirá nada que não queira e ao sair do estado hipnótico lembrar-se-à de tudo o que aconteceu. Contudo encontra-se mais sugestionável, daí que este método seja eficaz no tratamento de diversos problemas como adicções, fobias, depressão, insónia, stress e até obesidade ou asma.

Quando a pessoa está hipnotizada, os hemisférios cerebrais atingem uma excelente capacidade de comunicação entre si, facilitando a troca de material psíquico e simbólico entre o consciente, o pré-consciente e o inconsciente. A acessibilidade ao inconsciente torna-se desta forma mais fácil.

Os nossos sintomas têm a ver com programação. Estamos programados para agir ou pensar de determinada forma. A hipnose actua no sentido de ajudar os indivíduos a desprogramar aquilo que conduz a estados de sofrimento, a eliminar traumas e bloqueios.

É importante que o paciente sinta confiança no terapeuta, pois terá que seguir as suas sugestões. Antes de uma sessão, convém averiguar as suas credenciais. Existe um código de ética e deontológico para estes profissionais (pode consultar em www.bsch.org.uk/code_of_conduct.htm), pelo que os bons profissionais se guiarão por ele, estando sempre o paciente salvaguardado. Contudo, há quem entenda que a hipnoterapia tem perigos. Deixo aqui um site que resume os mais comuns: http://cadernoalfa.blogspot.com/2008/06/o-perigo-da-hipnose.html. Devo contudo salientar que na busca que efectuei através da internet e de outros meios de comunicação a ausência de perigos nesta prática vence com esmagadora maioria.

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Calar o sofrimento


Quem sofre depressão ou de outro tipo de patologia do foro psíquico sofre de duas formas: por um lado os sintomas próprios do mal de que padece e por outro do que lhe é causado pela sociedade. Porque a sociedade ainda não aprendeu a aceitar que nem todas as pessoas que sofrem de problemas que não são de origem física, são loucas.

Quem nunca passou por uma situação semelhante quase nunca consegue entender porque é que quem está deprimido não consegue simplesmente deixar de o estar, como se bastasse estalar os dedos para isso acontecer. Por vezes essas pessoas podem ser nossos familiares, amigos, colegas de trabalho, vizinhos. Há uma tendência natural em pormos de lado aquilo que não entendemos. É o que acontece com eles. Mas, como se não bastasse, há determinadas pessoas para quem pura e simplesmente não podemos dizer que não nos sentimos bem. Então se esse mal estar for do foro psicológico, ainda menos. É-se rotulado de louco, de instável, de incapaz. O simples facto de entregar um justificativo de falta num emprego, quando se vai a uma consulta, assinado por um psiquiatra, pode levar a questionar se aquele empregado é competente para o cargo que desempenha, se se disser aos amigos que se tem uma obsessão ouve-se logo um borburinho, e por aí fora. A reacção das outras pessoas não é a mesma se se disser que se tem uma broncopneumonia ou se tem uma depressão.

Como fazer então para evitar estas situações? Conheço quem escolha médicos que passam justificativos em nome das clínicas em que trabalham de forma a que a sua especialidade não seja identificável, quem coloque os comprimidos em frascos vazios de outros para a dor de cabeça por exemplo e ainda quem simplesmente finja que anda bem para não ter que consultar um médico ou tomar qualquer tipo de medicamentos. Por vezes temos que contornar os obstáculos que se nos deparam, enquanto a sociedade não "cresce". Contudo, deixar de procurar ajuda não é de todo solução.

A década que corre tem desmistificado muito estas questões. O aumento do número de pessoas com problemas é cada vez maior e o número daquelas que recorre a tratamento. Penso que as pessoas estão a consciencializar-se de que não acontece apenas aos outros e além disso a internet, a imprensa escrita e os media em geral estão a confrontar o seu público com cada vez mais informação acerca destes temas. A informação é a chave para um correcto julgamento, em qualquer situação. Contudo ainda há um longo caminho a percorrer.