quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Curso de Autismo

"Caro Sr jornalista da TV Utopia,

Antes de mais deixe-me agradecer o prezado convite para responder à sua entrevista, embora que de forma indirecta, pois o tempo escasseia. Mas é para isso mesmo que existem os emails.

Como sabe, sou proprietário e director de uma escola de formação há meia dúzia de anos. A ideia surgiu quando fiquei desempregado e, aos cinquenta as hipóteses de encontrar um novo emprego eram quase nulas. Foi então que apresentei um projecto ao Centro de Emprego, ao abrigo de um programa de incentivo à criação do próprio emprego e recebi de uma só vez o subsídio de desemprego a que tinha direito. Pesquisei o mercado, procurando nichos pouco explorados e pareceu-me bem apostar nos Cursos de Personalidade. Criei o "Curso de Autista" e comecei a publicitá-lo. De imediato choveram telefonemas e emails de interessados pedindo informações. Fiquei bastante satisfeito durante os primeiros meses.

Respondendo mais concretamente à sua pergunta sobre o que era ensinado: trata-se de um curso de formação da personalidade. A maioria das pessoas está insatisfeita com a sua maneira de ser e têm intenção de mudar. Por isso são tão procurados os livros e cursos que ajudam a ter uma melhor relação consigo próprios e a desenvolver a auto-estima. Pensei em enveredar por essa área, contudo o mercado está demasiado saturado de ofertas. Eu queria algo mais inovador, algo que fosse ao encontro da sociedade moderna. Já tinha ouvido falar nos Cursos de Autista e apostei nisso.

As pessoas não querem comunicar. Querem passivamente ser compreendidas, mas não estão dispostas a emanar de si qualquer mensagem. Procuram viver num mundo interior, fechado para o exterior, com interacções mínimas com este, que não compreendem nem procuram compreender. É aqui que eu entro. Se é isto que procuram, é a consegui-lo que eu as ensino.

Se é fácil? Não é o mais difícil de ensinar. Nada melhor para assimilar uma aula que uma turma motivada. Ensino-lhes como usar auscultadores e música alta para se abstraírem de tudo ao seu redor, em como a forma como se usam as palavras, abusando de neologismos, palavras caras e outras cenas que tais, pode tornar as mensagens de tal forma encriptadas que se torna impossível entender pelo interlocutor. Ensino-lhes ainda como não compreender os outros. Esta é uma coisa muito simples, embora não pareça: basta que se cultive uma outra linguagem que apenas o próprio conhece e se ignore por completo aquela que é usual entre aqueles que nos rodeiam. Mas há um aspecto muito importante a ter em atenção neste ponto: estou a falar de TODO o tipo de linguagem, não só a verbal, também a corporal e mimética. Desta forma, atingem-se dois objectivos de uma só vez: não só não se é entendido, como também não se entende os outros.

O autismo não é só isto, a impossibilidade de comunicar, interagir com o mundo exterior não se limita a deformações na linguagem, qualquer que seja o seu tipo. Há que viver no seu próprio mundo, onde não entra mais ninguém. E o quê melhor para o conseguir que inventa-lo ou refugiar-se num alternativo que encontre desocupado por aí? Há-os muitos, desde os provocados por drogas aos que se regem por valores anti-sociais.

Se a crise que Portugal vive está a afectar a minha escola? Não, não sinto isso. Tem havido uma redução de formandos nos últimos anos, mas não creio que seja da crise, até porque os cursos em questão são reconhecidos pelo Ministério da Educação e financiados pela União Europeia e dão acesso a inúmeras profissões, principalmente dentro da classe política, apetecível a qualquer um pelo poder e  recompensas financeiras avantajadas a que têm acesso. O problema aqui é outro: o problema é que parece que já toda a gente sabe como ficar autista - e não estou a falar em tomar vacinas contra a gripe A - e como tal já não sentem necessidade de frequentar os meus cursos. A sociedade já os formou e eles aprendem depressa, para mal dos meus pecados. Tenho alunos com os quais é impossível comunicar. Não atingiram já estes o grau mais elevado de formação que posso chegar a atribuir?

Tenho também alguma dificuldade em contratar formadores. No início eram os governantes e membros das elites - alguns dos mais ilustres tiraram aqui o diploma! - a desempenhar esse papel. Agora estão demasiado ocupados ou incomunicáveis para que se apercebam que precisamos deles. Por isso recorremos a políticos da oposição.

Se me é permitido gostaria de fazer um apelo: se aspira a ser rico sem trabalhar muito, poderoso e imune à lei e viver à custa daqueles que se esforçam por ganhar o pão de cada dia, não hesite em inscrever-se. Lembre-se de que tem apoio do Estado! Venha crescer connosco e fixe os olhos em quem está no topo agora: eles também frequentaram um Curso de Autismo e passaram com distinção!"

Nota: este texto é unicamente humor negro, gostaria de explicar que tenho o maior carinho e compreensão para com as pessoas autistas e gostaria muito de poder ajuda-las, a elas e seus familiares, a eliminar ou contornar o problema.

Sem comentários: