segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Ser Humano

A humanidade, milhões de universos individuais a partilhar um universo em conjunto; somos almas, espíritos, ou apenas carne, depende das religiões, das experiências, das crenças... A verdade é que o ser humano é o mais desconcertante de todos os seres que a natureza criou.
Os meios de comunicação mostraram hoje uma criança chinesa a ser atropelada perante a indiferença e inércia dos observavam. Não foi apenas um, foram vários. O individualismo puro e simples, a mais egoísta essência; noutro canal, via-se Kadaffi a ser agredido e notícias da sua execução sumária sem prévio julgamento; noutro ainda, sobreviventes da guerra colonial a relatar os seus tempos de cativeiro enquanto prisioneiros de guerra. 
Que raio de ser humano é este que não tem compaixão pelo próximo, que não sente um mínimo de empatia pelo seu semelhante, que não consegue - ou não quer - domar o animal cheio de raiva que em si existe? 
Já não sei no que acreditar. Eu própria, não sei se a minha natureza não violenta terá sido aprendida ou se será inata. Afinal qual a verdadeira essência do ser humano?
Enquanto fazia zapping, vi um documentário sobre a  vida da Madre Teresa de Calcutá e uma entrevista a voluntários em Africa que ajudavam a combater a SIDA, ao mesmo tempo que alguém me relatava o extraordinário feito de um bombeiro que perdeu a vida ao tentar salvar um desconhecido de um fogo.

Bem, agora é que estou mesmo confusa. Quem é este ser que se sacrifica pelos outros, que perdoa e abraça, que ama incondicionalmente outro ser humano? Haverá várias categorias de humanidade?
No dia seguinte, assente nesta última hipótese, não conseguindo enquadrar-me a cem por cento em nenhuma categoria, mas apostando que pelo menos noventa por cento caberiam na dos "bondosos" (é assim que se calhar todos pensamos!...) me preparei para ir para o trabalho. A meio do caminho encontro um ex-presidiário, condenado por assassinar a mulher, depois de alguns anos a infligir-lhe maus tratos. Ao que parece não tinha mudado muito pois comentava-se que espancava a actual esposa.
No largo em frente havia largada de touros, onde alguns aventureiros os desafiavam perante os olhares divertidos dos que junto às grades observavam. Do meio de uma grupo que se apertava para conseguir ver melhor, uma mulher é empurrada para a frente e exposta ao touro, sem hipótese de fuga. Todos focaram os olhos nela, adivinhando-lhe um destino cruel. Mas nisto, enquanto o touro se aproximava, um homem saltou para a frente dela, sendo violentamente atacado pelo animal, salvando desta forma a senhora.
O curioso desta história é que este homem era o tal ex-presidiário que espancava a mulher. 
Que raio é o ser humano, tão complexo, tão perfeito, tão animal, tão mau, tão bom, tão indiferente? Não nos tentemos escapar, pois estamos todos entre estes extremos. Somos todos da mesma raça.

Sem comentários: