sábado, 28 de abril de 2012

Depressão - Biologia e Medicamentos


Num quadro de depressão, há que distinguir várias vertentes que contribuem em conjunto para a instalação da mesma: a social, a genética, a biológica, a psicológica, etc. Neste post, irei analisar apenas a biológica. 
Vários estudos referem a importância dos neurotransmissores, mais propriamente as monoaminas cerebrais (dopamina, norepinephrine, a serotonina e a acelticolina). Foi investigada a disponibilidade destas substâncias no cérebro de pessoas com diferentes patologias psíquicas e confrontada com a encontrada no cérebro de pessoas saudáveis. As quantidades destes neurotransmissores encontrava-se mais elevada no caso das pessoas saudáveis, o que leva à conclusão da sua importância nestes quadros.
Tratando-se de agentes que permitem a optimização das transmissões neurológicas, terá que se avaliar as condições dos respectivos receptores. Aparentemente os primeiros não estavam presentes não por não terem sido segregados, mas sim porque foram muito rapidamente absorvidos (recaptados). Os estudos que mais evidenciam esta hipótese foram baseados na aplicação de medicamentos, mais propriamente dos  ISRS - Inibidores selectivos da recaptação da serotonina, entre outros. Do seu efeito biológico sobre os receptores, inibindo a sua desadequada actividade, chegou-se à conclusão, pelos efeitos positivos manifestados pelos pacientes, que na verdade a disponibilidade destes neurotransmissores no cérebro faz com que este "trabalhe" correctamente.
Como em muitas áreas da saúde, a resposta às causas biológicas ainda se encontram por apurar definitivamente, encontrando-se abertas outras hipóteses em investigação. Porém, os ISRS já estão a ser administrados há algumas décadas. É claro que estão a funcionar como "Aspirinas" e não como tratamento eficaz e definitivo. Das duas uma: ou o cérebro reaprende pela prática (enquanto estão a ser administrados estes medicamentos) a voltar às suas funções normais, reencontrando o equilíbrio antes perdido, na sua secreta organização celular e sináptica, ou voltará ao mesmo após o término do efeito medicamentoso. Se existir esta "reaprendizagem", com a forte contribuição na grande maioria das vezes de factores sociais, psicológicos ou ambientais, os especialistas consideram que houve tratamento, embora seja difícil ou mesmo impossível atribuir o sucesso aos medicamentos só por si. Isto significa que as provas existentes quanto aos ISRS no processo de cura estão longe de serem conclusivas, pelo que por enquanto e efectivamente apenas exercem uma função paleativa.

Sem comentários: