terça-feira, 23 de outubro de 2012

Solidão, a quanto obrigas!....

Este é um tema transversal a todas as classes, gerações e estados de saúde mental. É um fantasma tão assustador, que importa pensar em todas as pessoas que se sentem sós, na realidade por detrás do sentimento e perceber que as suas atitudes, embora à primeira vista desconcertantes aos nossos olhos, podem não passar de um acto de desespero. A solidão dói, pesa, e nem sempre existem formas disponíveis para nos livrarmos deste mal.
Que fazemos então, para atenuar este sofrimento?

Um americano de 20 anos de Nova Yorque, Jeff Ragsdale encontrou uma forma original para pôr fim à sua solidão, após o fim de um relacionamento em 2011: colocou o seu numero de telefone em panfletos de rua, com a mensagem: "liguem-me". Com esta forma inusitada angariou milhares de ligações de todo o mundo, acabando por transformar o seu conteúdo num livro intitulado "Jeff, One Lonely Guy". Jeff encontrou no telefone um canal de comunicação com um universo anónimo e o conselho que dá a quem se sente só é "ir atrás das pessoas". (fonte: http://www.saomiguelpoint.com.br/news/?noticia=12818)
Esta forma parece ser assustadora e apenas possível para alguém com uma dose de coragem excepcional. penso contudo que Jeff a utilizou como último recurso.           
    Senhora 60A Educada, boa apresentação, s/ família, c/ grandes dificuldades financeiras , angustiada pela solidão.Procura cav. livre que dê apoio, ajuda e companhia .Assunto de extrema sensibilidade. Sintra - 962404434. "
Este anúncio foi encontrado num jornal comum, e é exemplo de muitos outros que normalmente surgem neste e noutros meios de comunicação. A angústia, como a mesma senhora indica, move-a no sentido do encontro com outro ser humano, não importa que seja um desconhecido. A aposição do número de telefone ilustra bem esta ânsia.

Melinda Schmidt, uma norte-americana passa o dia a dar abraços na rua a quem não conhece, depois de se ter mudado para uma nova cidade na Carolina do Norte, sozinha. Foi esta a forma que encontrou para combater a solidão. Chamou-lhe "365 Days of Hugs". Em cada dia do ano esta mulher escolhe uma pessoa ao acaso e abraça-a, mantendo ainda na internet um blog sobre o tema, que já é considerado um sucesso.(fonte.http://www.ptjornal.com/201207189705/geral/insolito/norte-americana-passa-o-dia-a-dar-abracos-a-quem-nao-conhece.html  Pode ver o vídeo aqui: http://www.hooplaha.com/365-days-of-hugs/)

E você, cidadão comum, o que já fez para preencher esse vazio tão angustiante, que é a solidão? Conte-nos algumas coisas, verá que não será o único, por mais estranhas que lhe pareçam!


sexta-feira, 12 de outubro de 2012

As respostas aprendidas

É durante a nossa primeira infância que se forma a nossa personalidade, se define quem somos. Perante as situações que nos surgem no meio ambiente em que vivemos, normalmente a família, encontramos respostas para elas. Muitas delas são-nos ensinadas, outras aprendemos de modo inconsciente. Um acontecimento provoca sempre uma resposta. Por exemplo, se alguém nos oferece algo, agradecemos, se vamos a um funeral, mostramos tristeza, se nos pisam gritamos. Nem sempre  estas respostas são genuínas, podem ser representações, formas de agir socialmente aceitáveis e como membros que somos dessa mesma sociedade,  comportamos-nos como "devemos". Mas as respostas não são sempre verbais ou representadas, genuinamente ou não. 
Ensinam-nos a amar, a ser felizes, a ser obedientes, a ser criativos: maneiras de ser e sentimentos. Mas nós aprendemos muito mais do que aquilo que nos ensinam, aprendemos por nós próprios. Aprendemos que quando em crianças que quando estamos doentes os nossos pais nos dão a atenção que gostaríamos que nos dessem todos os dias. A resposta para esta necessidade de atenção é adoecer, não conscientemente, não representando, mas de verdade; tememos a separação dos pais, aprendemos a viver ansiosos e apreensivos, agindo de forma passiva, passando a dar mais importância aos desejos dos outros que aos nossos próprios. São inúmeras as situações para as quais criamos respostas inconscientes e que não esquecemos pela vida fora. São estas lições de vida auto-aprendidas que nos tornam as pessoas que somos, autónomos ou dependentes, tendencialmente tristes ou alegres, activos ou passivos, seguros ou inseguros.
Quem se preocupa com o que está a ensinar às crianças? Haverá muitos pais hoje em dia mais sensibilizados para esta questão, mas nem sempre assim é ou foi. Criam-se adultos com determinados comportamentos que não são mais do que respostas aprendidas. Nem sempre os entendemos, culpamos-os pela forma como reagem, chamamos-lhe cobardes, violentos, mosca-morta, etc. Pergunto muitas vezes se se voltasse atrás e os colocássemos, enquanto crianças, noutro ambiente, se eles seriam como são.

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

10 de Outubro - Dia Mundial da Saúde Mental


 São cerca de  450 milhões de pessoas que em todo o mundo sofre de algum tipo de perturbação mental ou de conduta. Entre elas,  a depressão é a que maior percentagem ocupa, e é já considerada a maior causa de incapacidade, temporária ou permanente. Verificou-se ao longo das últimas décadas, principalmente no mundo ocidental, mudança de paradigma demasiado rápida para a qual não houve tempo para as pessoas se adaptarem. Quem apanhou o comboio, tudo bem, quem não o apanhou foi atropelado por ele. Estas mudanças ocorreram no sentido de aumentar as exigências e as preocupações: já não basta trabalhar, têm que se ser o melhor, mais produtivo, novos métodos de ensino preparam as crianças e os jovens para um mundo agressivo, onde o que têm que fazer é competir para sobreviver, ter saúde tornou-se quase uma moda. Portugal tem um Plano Nacional para a Saúde Mental. Mas só funciona quando as doenças já estão adquiridas. É um bom começo, mas o foco está no aspecto terapêutico, quando devia estar também no preventivo. Prevenir, parece se coisa com que ninguém está preocupado.

O Dia Mundial da Saúde Mental, que se comemora a 10 de Outubro, foi instituído justamente para que as pessoas tomem mais consciência da dimensão deste flagelo. O tema para este ano é "Depressão: uma crise global". Nesta altura em que tanto se fala de crise a todos os níveis, vinha mesmo a calhar. Por todo o país irão ser tomadas iniciativas como seminários, colóquios, entre outros de expressão mais lúdica.

Portugal tem um Plano Nacional para a Saúde Mental. Mas só funciona quando as doenças já estão adquiridas. É um bom começo, mas o foco está no aspecto terapêutico, quando devia estar também no preventivo. Prevenir, parece se coisa com que ninguém está preocupado.

Esperamos que não seja só neste dia que se reflicta sobre este tema. Ele está de tal forma presente na nossa sociedade que se calhar justificaria que se fizesse o mesmo nos outros 364