quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Acatisia

A palavra deriva do grego καθίζειν, ou kathízein, que significa "sentar", dando-lhe o prefixo "a-" o sentido de negação ou ausência. Trata-se de uma síndrome psicomotora que se manifesta pela impossibilidade de estar quieto. Caracteriza-se pela inquietação, ansiedade, parestesia, agitação e vontade de se mover o tempo todo. Trata-se de um efeito colateral de algumas drogas, nomeadamente do grupo dos anti-psicóticos (neurolépticos), tais como butirofenonas, ou também bloqueadores dos canais de cálcio, buspironas metoclopramides e agentes dopaminérgicos. Os anti-depresssivos do grupo Inibidores Selectivos de Recaptação da Serotonina (SSRI) podem causar acatisia como parte dos seus efeitos colaterais. Entre eles encontram-se a Paroxetina, o Zoloft e Fluoxetina. Os tratamentos mais sugeridos são betabloqueadores, benzodiazepínicos e anticolinérgicos. Pedemos encontrar também como causadores deste síndroma a Trazodona e a Venlafaxina.
Este símdrome é causado devido a um aumento dos níveis do neurotransmissor norepinefrina, que conduz a um aumento da ansiedade, agressão, excitação e estado de alerta. Pode também ser associado a uma ruptura dos receptores NMDA (entre outras controla as funções de plasticidade sináptica de norepinefrina.  
Muitas vezes a acatisia é confundida com o Síndrome das Pernas Inquietas pela semelhança dos sintomas. 
O psiquiatra Lars K. Hansen propõe um programa de relaxamento com duração de apenas doze minutos que envolve exercícios de respiração e de redução da tensão que pode ajudar a reduzir a acatisia em pacientes com determinadas enfermidades tais como a esquizofrenia crónica e que não respondiam ao tratamento recebido para tratar a acatisia.
Estima-se que este flagelo atinge 50 a 70% dos pacientes que receberamantipsicóticos de primeira geração, taxas não muito diferentes das encontradas entre aqueles que receberam os de segunda geração (os primeiros vieram substituir os segundos com a promessa de diminuir a intensidade destes efeitos). Entre os que recebem tratamento com anti-depressivos, a taxa varia entre os 5 e 10%.

terça-feira, 9 de julho de 2013

A felicidade é uma opção

Todos queremos ser felizes. Porém, a maior parte das pessoas não tem como objectivo alcançar esse fim. Ou seja, é como desejar ganhar o euromilhões sem sequer jogar! Mas no que concerne ao estado de felicidade, não há nenhuma chave de sorteio que automaticamente no-lo atribua: a felicidade tem que ser construída, depois cuidada para que não esmoreça.

Quase toda a gente diz que se esforça por ser feliz, mas que essa felicidade nunca chega. Será que estão a fazer alguma coisa errada? Acho que sim. É que temos tendência a procurá-la em todo o lado excepto onde devemos: vemo-la como dependendo do exterior, do dinheiro, dos amigos, da família, do amor, da saúde. É claro que isto contribui em muito para atingir esse estado, mas quantas pessoas conhecemos que têm tudo isso e se sentem miseravelmente infelizes?

A felicidade é uma OPÇÃO! Temos que optar por ser felizes. A nossa educação e a tendência pessimista da sociedade em que vivemos, em que se valorizam mais as coisas negativas que as positivas, onde nos ensinam que a felicidade é a ausência de coisas negativas, achamos que não temos sequer direito a ela, que ela é uma espécie de bónus a que apenas alguns têm direito. Olhamo-la como algo distante, que vem de fora, invejamos quem a possui... Encontramos sempre mil e um culpados para que ela não nos tenha ainda batido à porta.
A verdade é que ela nos está sempre a bater à porta, nós é que não a abrimos, nem sequer ouvimos. Procuramos grandes alegrias e ignoramos as pequenas, mas damos imensa importância às pequenas tristezas!  Em primeiro lugar, temos que nos convencer que temos direito a ela. Não está escrito em parte nenhuma que devemos penar. A alegria pode coexistir com a tristeza, pois estas duas emoções são tratadas em partes diferentes do cérebro, logo é errado pensar que uma é a ausência da outra; depois, há que vê-la como um objectivo a atingir, o objectivo maior da nossa vida. Há que tomar a opção de ser feliz. Até pode ser que o mundo esteja todo contra nós, pois o que conta é o que decidimos, se decidimos entregar-nos à tristeza ou à alegria, se decidimos dar mais importância à primeira que à segunda. Somos livres, em última análise, em permitir que determinado facto nos atinja ou não. Podem lançar-nos uma pedra, isso não depende de nós. A pedra pode ferir-nos, também não depende de nós. O que depende de nós é se vamos ou não deixar que esse acontecimento nos retire a nossa felicidade.

Sei que é difícil de compreender, mas o que vejo à minha volta são pessoas que se habituaram a ver a felicidade ao longe e por mais que a desejem por perto, têm medo de encurtar as distâncias entre elas.

Já agora, é feliz?

domingo, 30 de junho de 2013

Consequências físicas das emoções negativas

Se é certo que nos preocupamos com a higiene do corpo, da casa, da roupa, a verdade é que raras são as vezes em que nos preocupamos que a higiene emocional. Tal como a sujidade é um factor negativo na higiene física, assim o são as emoções negativas no campo psicológico. Estas produzem experiências desagradáveis, sendo as mais importantes a ansiedade, a raiva e a tristeza, em oposição às positivas que desencadeiam experiências agradáveis, como a alegria e o amor por exemplo.
Vários estudos efectuados demonstram que as emoções positivas potenciam a saúde, enquanto as negativas a comprometem. Um dos exemplos mais conhecidos é a ansiedade, cujas consequências para a saúde são bem conhecidas, e vão desde problemas cardíacos e úlceras a doenças relacionadas com uma ineficácia do sistema imunitário, tal como a gripe, herpes ou diarreia. 
Na medida em que num estado de ansiedade os indivíduos prevêm subjectivamente consequências demasiado negativas  da situação ou objecto desencadeante, são mobilizados recursos tal como aqueles que serão necessários num caso objectivo.  A percepção, a memória, o pensamento, a linguagem, o sistema nervoso autónomo, o sistema motor, o hormonal, todos são chamados a permanecer em alerta, com vista a enfrentar tais consequências negativas, sendo apenas desmobilizados quando a ansiedade tiver diminuído. Apesar de a ansiedade ser uma emoção natural de carácter adaptativo, essencial à sobrevivência, torna-se maléfica quando se prolonga por muito tempo a níveis demasiados altos.
As emoções negativas têm influência sobre a saúde na medida em que exploram em demasia os recursos psiconeurofisiológicos, mas também porque influênciam a motivação do indivíduo, levando-o a modificar ou a permanecer em condutas comportamentais pouco saudáveis, tais como falta de exercício físico ou excesso dele, dieta desequilibrada, descanso inapropriado, abuso de substâncias tóxicas, entre outros.
Tomamos como exemplo um motor. Se o pusermos a trabalhar em altas rotações por muito tempo, sem o pararmos, começará a avariar muito mais cedo e com mais frequentemente do que outro igual que esteja a ser utilizado de forma menos intensa.
Os avanços na ciência têm permitido relacionar algumas doenças do forum neurológico e infeccioso à ansiedade, tais como esclerose múltipla e até tuberculose.
É claro que para que se desenvolva qualquer doença associada (despoletada ou agravada) pelas emoções negativas, é necessário que haja uma predisposição do indivíduo para tal (a fragilidade dos órgãos ou sistemas envolvidos por ex.) e há que ter em conta a reacção fisiológica ao estímulo emocional, bem como a avaliação subjectiva do factor stressante. Uma alta activação fisiológica mantida ao longo do tempo pode provocar alterações do sistema imunológico que tornam a pessoa mais vulnerável a doenças infecciosas e auto-imunes, independentemente de expressarem ou reprimirem as suas emoções negativas, pois o que importa é a intensidade estímulo fisiológico despoletado por aquela emoção que não é directamente proporcional à intensidade da mesma.
Perante uma emoção, o indivíduo terá uma reacção: fala, grita, chora, agride, isola-se, etc. Todavia, quando nada disso acontece, a "opção" inconsciente pode ser adoecer, ou seja, expressá-las-há através do sistema somático. 

quarta-feira, 5 de junho de 2013

Abordagem medicamentosa e psicológica dissociadas

Depois das minhas últimas experiências falhadas na escolha de um terapeuta, encontrei alguém que me pareceu bem habilitado para fazê-lo.
Como habitual, as consultas tem a duração de uma hora, a primeira, um pouquinho mais. Comecei por lhe contar resumidamente a minha história e depois foquei-me naquilo que sentia. Depressa, o final da primeira consulta chegou. Em uma hora, tive que resumir quarenta anos de vida e mais de vinte de terapias. É claro que é impossível o terapeuta inteirar-se de tudo o que se passa com o indivíduo e aperceber-se da solução mais adequada. Eles acham, contudo, que o que o paciente espera deles é que lhes receite medicamentos para aliviar o seu sofrimento. E felizmente para os médicos, existem medicamentos que servem para quase tudo, basta que nos consigam enquadrar em uma qualquer patologia generalista. 
Eu costumo guardar uma cópia das prescrições medicamentosas que me têm sido feitas ao longo do tempo. Se procurar entre elas, decerto encontrarei uma igual à que me foi dada por este terapeuta. Isto quer dizer que, no que respeita à medicação, quase me basta ir ao meu "arquivo" e procurar uma receita que me tivesse sido prescrita para os mesmos sintomas em momentos anteriores. Então, que raio vou eu gastar o meu dinheiro num psiquiatra?!
Na segunda consulta, que aconteceu um mês depois da primeira, por indicação do terapeuta, as suas principais preocupações foram saber que efeitos secundários tinha tido com a terapia receitada. Como a minha resposta foi negativa, mandou-me continua-la e repetir a consulta daí a quatro meses. 
Na minha condição de paciente e de ser humano minimamente inteirado do mundo da psicologia e psiquiatria, aquilo que sinto é que as duas disciplinas andam cada vez mais separadas, enquanto a mente humana continua a ser apenas uma. Uma terapia puramente medicamentosa, quando sabemos que os medicamentos não curam, apenas aliviam, revela a ineficácia a longo prazo dest
a abordagem. Aquilo de que realmente precisamos é saber o que nos causou ou está a agravar a patologia de que padecemos e saber como lidar com ela. Quanto mais não seja, precisamos de seres humanos, de ver naquele terapeuta que está à nossa frente, uma pessoa, não um computador pré-programado para nos receitar determinado medicamento perante determinado sintoma. É claro que sem medicamentos, muitas pessoas não conseguirão resolver os seus problemas. Mas o que realmente necessitam é aprender a controlar, a dominar a situação, de forma a aumentar a sua auto-estima, a resolver os seus conflitos internos, a perceber onde estão a errar, e erradicar o seu sentimento de culpa infundado, a integrar-se ou a reconciliar-se com a sociedade onde vivem, etc. Sou só eu a ver isto?!!!

terça-feira, 28 de maio de 2013

Deus - acreditar ou não

Sem me querer imiscuir em assuntos de religião, não posso contudo deixar de reparar na arrogância dos que afirmam que Deus não existe. Não me cabe a mim, neste blog que pretende para já ter uma abordagem científica, analisar a existência ou não de Deus, nem mesmo defender as minhas próprias crenças. Contudo, o que merece aqui análise é esta atitude de algumas pessoas perante o assunto.
Chocam-me as posições extremas. Mas se a posição extrema de acreditar plenamente abre os seus horizontes perante outras realidades, a de não acreditar fecha-os. Todas as definições de Deus no-Lo apresentam como ser omnisciente, omnipresente, omnipotente. Podemos concluir então que não se trata de um ser de carne e osso como todos nós. Também é assumido por todos que nunca ninguém viu a Deus. Quem diz que Ele não existe argumenta que nunca O viu, que nunca encontrou provas da Sua existência na sua vida, que existem muitas contradições na Bíblia, que a ciência justifica tudo, inclusive a própria razão da crença em Deus, abriga-se nas atitudes maléficas cometidas por indivíduos ou pelas próprias igrejas no passado e no presente. 
De facto, é caso para dizer, cada um sabe de si. No entanto há aqui algo que me deixa intrigada: muitas destas pessoas também não acreditam na validade permanente das leis da física! Isto é uma contradição! As leis da física, como sabemos, podem deixar de ser verdadeiras quando novas descobertas científicas vêm abalar as teorias anteriormente entendidas como verdadeiras, como é o caso da teoria geocêntrica que foi substituída pela heliocêntrica. Perante qualquer lei física, existe então a dúvida da sua veracidade. Como se pode então concluir e afirmar tão peremptoriamente a inexistência de Deus, quando nem sequer existem mecanismos científicos que o possam confirmar? Os argumentos que os não crentes utilizam, no seu conjunto, remetem-nos para duas características da sua personalidade: teimosia e arrogância. Teimosia, porque continuam no mesmo registo, recusando-se a procurar a verdade, seja ela qual for; arrogância, porque não conseguem aceitar outros pontos de vista, o seu universo está fechado a novos conceitos e ideias que possam ultrapassa-los em grandeza. 
O ser humano, por muito inteligente que seja, é super-limitado. Estamos confinados a um corpo, só vemos o que os nossos olhos nos permitem ver, só ouvimos o que os nossos ouvidos nos permitem ouvir, etc. No fundo, estamos condenados pela nossa biologia a ter acesso apenas a uma pequena percentagem de sensações. Do mesmo modo as nossas memórias, o nosso raciocínio, a nossa consciência, não passam de sucessões de impulsos magnéticos e registos armazenados em suportes físicos. Então, de tão limitados que somos, como poderemos ter a pretensão de conseguir deduzir da existência ou não de Deus, que não é uma entidade física?
Sabemos que cada ser humano não passa de um átomo na dimensão do universo. Perante a imensidão de Deus, tal como é definido e aceite pelos crentes, não passamos de quarks. Será que um quark, se tivesse consciência como nós, teria noção de que existira mais do que o átomo a que pertence???

sexta-feira, 29 de março de 2013

Manipulação Afectiva

Será que a "vítima" é verdadeiramente a vítima? Sempre que vemos alguém a chorar, de aspecto frágil, corremos a socorrê-la. No entanto, outra verdade pode estar escondida perante o comportamento desta suposta "vítima".
As pessoas fisicamente ou emocionalmente frágeis aprendem com a vida tácticas de defesa ao seu alcance. As crianças sabem que quando choram os pais centram nelas a sua atenção, que quando estão doentes os pais são muito mais tolerantes, etc.. Tudo isto são técnicas de manipulação aprendidas e interiorizadas que transportam para a vida adulta. Aqui, tal como em crianças, não podem impor a sua vontade, esbarram com outras pessoas que impõem a sua de alguma forma, sejam os companheiros, patrões, filhos, etc. Há que fazer valer as suas ideias, obter o que se quer, muitas vezes os mais básicos direitos. Os "opositores" nem sempre contrariam esta vontade porque querem activamente limitá-la, mas apenas porque exigem o seu próprio bem estar. Muitas vezes, os conflitos são inevitáveis, o bem estar de uns limita o bem estar de outros. O mais forte, ganha o seu lugar ao sol. Então e o mais fraco? 
O mais fraco tem que lutar pelo seu lugar ao sol. A fórmula que aprendeu na infância resulta aqui também. Apelar à compaixão resulta sempre. As armas? Estar triste, chorar, adoecer, resumindo, sofrer. Se este sofrer é fingido ou real, pouco importa. Por vezes esta manipulação não é consciente, está tão enraizada no subconsciente que a "vítima" sofre mesmo. O outro, muda as suas atitudes por pena. Isso, é o que importa, pois subtilmente, consegue assim impor a sua vontade. 
Não se pense que todo aquele que sofre está a manipular. É difícil saber quando está ou quando não está. A tendência de quem está, consciente ou inconscientemente, é não fazer nada para mudar a situação, por vezes ainda faz por agravá-la. Quem não está luta tenta melhorar a sua condição de forma a eliminar o seu sofrimento, não espera que a sua vontade seja satisfeita para o fazer, muito menos por terem pena dela. Quero recordar aqui que determinados quadros clínicos, como a depressão por exemplo, levam as pessoas a comportar-se como as "vítimas", por isso antes de pensar que alguém o/a está a manipular, avalie bem o contexto.

quinta-feira, 21 de março de 2013

Gravação na Mente

Em artigos sobre "Como estudar" encontramos muitos conselhos para melhor decorar as matérias. Os autores são unânimes em afirmar que o factor chave é a concentração, sendo esta definida como a capacidade de ter em mente apenas um único pensamento, consistindo este no objecto de estudo. Ao que parece, a concentração aumenta as probabilidades de que aquilo que estudamos fique gravado na nossa mente.
Aquilo que para um estudante pode ser precioso, em outros aspectos da nossa vida pode ser perigoso. Muitos são os momentos em que apenas temos na mente um único pensamento, não porque queiramos mas porque toda a atenção é captada por um acontecimento marcante. Assim sendo, por exemplo, aquando de um acidente, toda a atenção passa a estar centrada na ocorrência do mesmo, passando assim a ser muito mais marcada a gravação do mesmo. Tal como uma fotografia, tão mais pixeis terá se estivermos concentrados. Os acontecimentos abruptos são peritos nisso. Por isso por vezes andamos anos e anos a rever na nossa mente esse mesmo acontecimento, com a mesma nitidez como se tivesse ocorrido ontem. 
Mas o que a nossa mente grava, acima de tudo, são emoções. Ao lado dos factos, anda sempre associada a sua componente emocional, é impossível gravar uma sem a outra. Assim, ao recordar uma, certamente recordamos a outra. Os factos não seriam suficientes para manter uma imagem na mente, necessita da "âncora" emoção.
O que frequentemente acontece é a desassociação destas duas componentes. Muitas vezes não conseguimos lembrar-nos dos factos, mas isso não impede que algo semelhante, que encontramos no nosso dia a dia, desencadeie as emoções a eles associadas, fazendo-nos assim reviver aquele acontecimento sem que conscientemente nos demos conta disso. Então perguntamos: porque me sinto triste, ansioso,  etc.. A resposta pode estar na intensidade da gravação que fizemos no momento, pelo facto de estarmos demasiado concentrados nele e na posterior negação do mesmo pela mente consciente, pelo facto de ser demasiado doloroso. Assim, a imagem que "vemos" não é tão nítida quanto a imagem que "sentimos".

quarta-feira, 13 de março de 2013

Memória, Ansiedade e Benzodiazepinas

As benzodiazepinas, descobertas nos anos 60, vieram substituir os barbitúricos, anteriormente utilizados como tranquilizantes. O fim para que são administradas - promover o relaxamento físico e mental e reduzir a actividade nervosa do cérebro - acaba por ser uma faca de dois gumes. Se por um lado limita o sofrimento do indivíduo ansioso, por outro lado contribui a longo prazo para a deterioração da sua memória. 
Sob os efeitos destes medicamentos, a diminuição da memória é um facto que até vem descrita nas bulas como efeito secundário, sendo portanto universalmente admitido. Mas segundo Belinda Nunes, o stress e a privação de sono também são responsáveis pela diminuição da memória. Estes "efeitos secundários" do dia a dia da nossa sociedade afectam cada vez mais pessoas em idade activa, remetendo para cada vez mais cedo na vida do indivíduo um mal que era suposto começar a apoquentá-lo apenas na sua velhice. 
Num estado ansioso, cujo efeito biológico se assemelha ao medo, o cérebro está em constante sentido de alerta. Não admira portanto, que releve para segundo plano actividades que não são necessárias - ou imediatamente necessárias - para essa finalidade. Não é importante lembrar da matéria das aulas a que assistimos ontem ou da data de aniversário de alguém, mas é importante lembrar aquilo que faz disparar a ansiedade, ainda que esse "lembrar" seja o ir buscar memórias ao inconsciente. Lá, mais ainda que aquilo de que conscientemente temos noção, temos arquivados, para a par, um estímulo e uma emoção. Ao ir buscar uma, o cérebro inevitavelmente traz outra atrás. Por isso, se o estímulo por exemplo for um som, imediatamente vamos lembrar a emoção que sentimos da última vez que experimentamos tal sensação. Se o som estiver associado a algo agradável, a emoção será positiva, sentiremos alegria, prazer; se pelo contrário estiver associado a algo desagradável, experimentamos uma sensação negativa, tristeza, raiva, medo, etc.. 
Não admira, face a isto, que a ansiedade nos faça perder a memória, ao concentrar-se nas emoções. Contudo, se pretendemos acalmar através do uso de tranquilizantes, o efeito na memória parece ser o mesmo, não necessariamente nas mesmas proporções. O melhor é mesmo pedir ajuda a remédios naturais, tais como ouvir música, ler um bom livro, receber uma massagem, praticar desporto, etc., comer alimentos saudáveis e dormir bem. Praticar um estilo de vida saudável é a melhor prevenção que existe. Mas caso lhe seja inevitável estar sob um estado ansioso ou tomar benzodiazepinas, lembre-se também de um provérbio muito antigo: o que não se usa, perde-se. Por isso, não se esqueça de ir exercitando a memória!

terça-feira, 12 de março de 2013

O Medo, a Ansiedade e o Perigo

Por mais estranho que pareça, é mais fácil controlar o medo que a ansiedade. Perante uma potencial ameaça de perigo, os sinais biológicos ligados ao medo fazem-se sentir de imediato, antes mesmo da consciencialização dessa mesma ameaça. Ao terminar a ameaça, o corpo volta ao normal, os sinais de perigo desaparecem. benéfico. 
Embora ansiedade e medo se confundam na prática, pois os sintomas físicos são basicamente os mesmos, a primeira tem consequências muito mais graves, pois vive não apenas do presente, mas sim do futuro. Ela é a consequência da imaginação da representação da ameaça de perigo no futuro, ou seja, surge quando o indivíduo projecta no futuro, através da imaginação, a situação que lhe causa medo, vivendo assim, por antecipação, os sintomas inerentes ao medo inato. O prolongamento desta emoção ou a sua repetição, pode trazer consequências nefastas a vida pessoal e social, na medida em que inibe a iniciativa, a criatividade e mantém o corpo num permanente estado de alarme.
Imaginar - e vivenciar - continuamente aquilo que nos causa medo, adensa o próprio medo, de tal forma que muitas vezes este se transforma em fobia, ou seja, medo patológico, que não tem nenhuma função protectora, antes pelo contrário, pois na maioria das vezes estas fobias transtornam a vivência do indivíduo. Sabe-se hoje que não existe apenas uma região do cérebro responsável por gerar e manter a ansiedade; sabe-se que o medo se origina através da colaboração entre muitas áreas do cérebro. No mapa do cérebro, os cientistas identificaram áreas mais activas em pessoas com ansiedade e ataques de pânico, e foi possível reproduzir estados ansiosos através da estimulação de algumas dessas áreas. Durante os momentos de medo e ansiedade a região do cérebro mais activa é a amígdala. Estimulada, os níveis de cortisol (responsável pelo stress) aumentam, desencadeando os sinais biológicos do medo. O hipotálamo controla o sistema hormonal  e influencia o sistema nervoso simpático, ou seja, juntos são responsáveis pela activação ou desactivação dos recursos usados perante uma ameaça de perigo (pois perante um medo intenso muitas vezes, ao contrário da acção, o indivíduo experimenta uma sensação de paralisação), daí se tornar o alvo predilecto das drogas psicotrópicas. 
As situações ligadas ao medo permanecem na memória e podem ser activadas inconscientemente. É o caso dos ataques de pânico, por ex. Quando o contexto do estímulo é importante, este registo é armazenado no hipotálamo (memória emocional). 
A gestão eficaz da imaginação parece ser uma boa forma de controlar a ansiedade, sendo muitas vezes esta dificuldade em geri-la a origem de muitas fobias. Sejam as suas causas biológicas ou ambientais, o certo é que a emoção de medo deve ser apenas presente, se o indivíduo a projectar no futuro, que seja para evitar uma situação potencialmente desastrosa, mas real, e restringida apenas à sua função protectora e preservadora da integridade do indivíduo.

Fonte: http://www2.uol.com.br/vivermente/reportagens/labirintos_do_medo.html

domingo, 10 de março de 2013

Os nossos recursos internos

A vida do dia a dia já é suficiente para nos dar que fazer: a profissão, os filhos, o marido, a esposa, os amigos, a saúde, etc. São uma infinidade de preocupações, chatices e até desgostos, com que nos deparamos todos os dias e a que temos que fazer face. Porém, muitas vezes, habituamos-nos a considerar tudo isso como fazendo parte de uma rotina que não podemos alterar. Mas, e quando surgem factos que alteram necessariamente essa rotina e nos forçam a carregar com mais uma dificuldade? Por vezes sentimos que não vamos aguentar, que já nos bastava o que tínhamos para atingir os nossos limites. contudo, o destino prega-nos partidas, e sem esperarmos, os nossos limites são novamente postos à prova. Porém, eles são definidos por nós mesmos, não são estanques, alongam consoante a nossa capacidade de suportar os acontecimentos, que  varia de pessoa para pessoa.
Quando dizemos que somos incapazes de ultrapassar determinada situação é assumir que os recursos armazenados em nós mesmos são insuficientes para lhe fazer face. Todos nós possuímos recursos: inatos ou adquiridos, para enfrentar e suportar todas as adversidades, mas nem sempre elas estão no seu melhor ou são suficientemente adaptáveis à situação. Sim, porque carecem de um período de adaptação, que por vezes é insuficiente no caso de acontecimentos súbitos e inesperados como a  morte de um familiar ou a perda de emprego. O período que medeia a altura do acontecimento e o restabelecer/adaptar dos nossos recursos, deixa-nos vulneráveis, incapazes de fazer uma gestão eficiente das nossas emoções e gera um sentimento de insegurança muito acentuado. É nesta fase que deixamos de acreditar que alguma vez vamos dar a volta por cima, em que a angústia é muito grande e cometemos actos de loucura, e mais recorremos a ansiolíticos e antidepressivos. São momentos em que ninguém parece ser capaz de nos ajudar, muito menos nós próprios. Revoltamos-nos contra o mundo, focalizamos toda a nossa atenção naquele acontecimento específico e passamos a constituir, nós e ele, um mundo à parte, onde os outros não podem entrar e onde não cabemos no mundo dos outros. Somos egoístas nestes momentos? Sim. Somos culpados? Talvez não.Se este momento for ultrapassado, houver adaptabilidade, não passa de um "momento de luto", caso contrário, entramos no campo das patologias. 
Se a chave é abastecermos bem o nosso armazém de recursos, então vamos fazer isso. Como, tentarei explicar mais à frente.

quinta-feira, 7 de março de 2013

Abilify - 3

Após três dias turbulentos, com a pulsação a ultrapassar os 100 bpm, mesmo a dormir, com todo o corpo e mente a trezentos à hora, decidi fazer alguma coisa. Cheguei à conclusão que a médica que me receitou este medicamento (foi a minha primeira consulta com ela), não fez o que deveria fazer, supostamente por falta de tempo. Numa primeira consulta, vinte minutos não dá para nada e foi esse o tempo que estive dentro do consultório. Por mais que eu tentasse resumir o meu historial, não houve tempo sequer para dizer que tinha taquicardia (os detalhes contam!). O que aconteceu foi que ela não teve isso em conta e o Abilify agravou este sintoma.
É quase impossível contactar o médico de um hospital para lhe dizer que a taquicardia se agravou. Normalmente não estão contactáveis ou quando estão menosprezam o problema e dizem-nos para esperarmos pela próxima consulta. O que fiz foi tomar eu mesma as medidas por conta própria (algo que tenho plena consciência que não devia fazer): comecei a tomar Inderal de manhã e à noite, medicamento que já tinha tomado antes e tinha suspendido há meses. Pelo menos resultou ao baixar o pulso, se bem que me sinto cansada.
O corpo "abrandou", mas também dupliquei a dose de benzodiazepinas que foram receitadas como coadjuvantes desta terapêutica. O facto é que todos os dias tenho que ir para o trabalho, dar o meu melhor e aparentar estar no meu melhor, e acredito que isso acontece com muita e muita gente.

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Abilify - 2

Esta noite foi terrível. Tomei a outra metade e adormeci, mas por muito pouco tempo, não consegui dormir mais. O meu corpo estava inquieto, a minha pulsação acima de 100bpm, dei voltas e voltas e não descansei nada. De manhã sentia-me na mesma. Resolvi não tomar nada, a não ser a benzodiazepina. Durante todo o dia a minha pulsação não diminuiu, embora começasse a sentir-me mais calma. 
à tarde resolvi que tinha que tentar continuar com a medicação. Optei por tomar um terço apenas a ver como corre esta noite...

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Abilify (Aripiprazole) - Início do tratamento

Comecei hoje este novo medicamento, o Abilify (substância activa Aripiprazole). Perante a ineficácia dos ansíolíticos mais comuns, a terapeuta receitou-e este, anunciando-o como algo novo e muito bom, dada a quase ausência de efeitos secundários e a adequação ao meu caso concreto. 
O primeiro contacto com ele foi na farmácia, onde reparei que o preço, sem comparticipação, andava perto dos 90 euros... Hoje tomei apenas 5mg (metade) e pretendo tomar a outra metade ao jantar. Não sinto efeitos nenhuns, mas também sei que é uma quantidade pequena. Tenciono ir postando aqui como me vou sentindo...

sábado, 16 de fevereiro de 2013

Carregando o seu cavalo?

A peça mais conhecida de Gil Vicente é sem dúvida o Auto da Barca do Inferno, mas sempre que penso neste autor, vem-me sempre à memória, em primeiro lugar, o Auto de Inês Pereira. Apesar de ter sido escrita no século XVI, aquilo que pretende ilustrar continua a ser sempre actual.
Voltemos ao século XXI para vermos a Inês Pereira que habita em cada um de nós. Naturalmente a ambição leva-nos a progredir ao nível do bem-estar pessoal. Porém, a forma como corremos atrás dela, pode-nos levar não ao objectivo pretendido, mas sim ao seu oposto. Quantas vezes optamos por soluções erradas no intuito de atingir os objectivos a que nos propomos? Às vezes, e se o fazemos de boa fé, o futuro revela-se diferente e afasta-nos deles, outras porém, e podemos pôr a mão na nossa própria consciência, sabemos que o caminho que estamos a seguir não é o melhor, o mais ético, o mais legal, etc., sabemos que os riscos são elevados e pomos por vezes a vida em jogo em prol de uma causa sem garantias de sucesso. Quando corre mal, lançamos as culpas ao destino ou à má sorte, esquecendo-nos que tudo o que temos ou somos em determinado momento, decorre de decisões tomadas por nós mesmos. Mas, mesmo quando não nos corre mal, por vezes somos tramados pela nossa essência: ambicionamos ser um atleta olímpico, quando não temos capacidades físicas para tal, ser ricos quando não sabemos administrar o dinheiro, ter um casamento feliz quando o que queremos é ser felizes sozinhos... 
Quanto ao caminho que escolhemos, temos ou não capacidade para o seguir, percorrê-lo leva-nos ao destino pretendido, queremos realmente suportar o esforço sabendo que existem outros caminhos, mais fáceis, nos levariam a um destino diferente, o qual afastamos de início por nos parecer inferior, menos nobre, inadequado para nós? Não queiramos ser aquele corredor de maratona que, após todo o esforço que despendeu para se colocar à frente dos seus concorrentes, ao cortar a meta cai esgotado e nem sequer consegue pegar na medalha... 
Inês Pereira casou com um nobre, desprezando o filho do lavrador, achando que o que realmente a faria feliz seria ter um marido culto, bonito, astuto; porém, a vida mostra-lhe que esta não foi a sua melhor escolha, pois foi trancada em casa, vigiada e impedida de sair à rua. Numa segunda tentativa de refazer a sua vida, após a morte do primeiro marido, ela escolhe o filho do lavrador. Apesar de não corresponder às suas expectativas de se casar com "príncipe", a sua vida passou a ser melhor que a que tinha anteriormente, pois ganhou a liberdade de fazer o que bem lhe apetecesse e o marido ainda a ajudava nesse propósito (embora sem ter consciência do que estava a fazer).
O moral desta história é "Mais vale burro que me carregue, que cavalo que me derrube!", algo que tantas vezes esquecemos quando fazemos as nossas escolhas, e que por vezes só nos damos conta depois de termos desperdiçado tanto tempo das nossas vidas.

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Proteína GATA1 vs. Desporto Cerebral

É do senso comum que o stress e a depressão afectam o sistema que garante o bom funcionamento mental.  Um estudo americano (fonte: Daily Mail) veio concluir que a depressão grave e o stress crónico bloqueiam a formação de novas conexões nervosas. Estas conexões não são estáticas, formam-se e extinguem-se consoante a "necessidade" do seu uso. Segundo este estudo, em indivíduos deprimidos alguns dos genes envolvidos na construção das sinapses (pontos de conexão entre células cerebrais) apresentam-se suprimidos, condicionando a capacidade de concentração e memória, bem como o comportamento emocional. A supressão destes genes levaria a uma retracção do córtex pré-frontal, bloqueando a formação de novas conexões sinápticas entre os neurónios. O "suspeito" é uma proteína que se liga ao ADN denominada GATA1, uma espécie de interruptor genético. A activação desta proteína levaria à interrupção dos circuitos envolvidos na cognição (Ronald Duman in Natural Medicine), ao reprimir a expressão de alguns genes necessários para tal processo. Estudos em animais mostraram que a sua activação induziria a depressão. Para já a aposta está em assegurar e reforçar as conexões entre as células cerebrais.
Pode ser esta proteína a responsável, mas não podemos esquecer os efeitos da neuroplasticidade, ou seja, a capacidade das conexões neuronais se alterarem durante a vida. Esta plasticidade manifesta-se de três formas: morfológica ou anatómica, funcional (alterações de fisiologia neuronal) e comportamental (aprendizagem e memória).
Para melhor exemplificar a neuroplasticidade, imaginemos uma árvore. Do seu tronco nascem ramos, desses ramos outros ramos e assim por diante; se uns ramos se partirem, outros poderão nascer em seu lugar e normalmente crescem mais ramos onde as condições ambientais são mais favoráveis. Tal como uma árvore, o sistema nervoso regenera-se e desenvolve-se onde houver mais oferta de alimento, ou seja, onde houver mais actividade. Por esta lógica, uma pessoa com um estilo de vida feliz e bem disposta, desenvolverá sinapses em áreas do cérebro ligadas a essas emoções, enquanto pessoas depressivas e tristes as desenvolverão em áreas do cérebro a elas ligadas. Também é caso para dizer que a persistência em determinados estados emocionais leva a que as áreas do cérebro a eles ligadas se desenvolvam mais em detrimento de outras, criando assim um efeito "bola de neve", que só pode ser revertido na ocorrência e persistência de outros estados emocionais, de forma a contrabalançar o desenvolvimento de sinapses. No cérebro, como na vida, o que não é utilizado tende a desaparecer ou enfraquecer.